25 de abril de 2014

AULA - O orgulho e a humildade: Jesus e seus exemplos de humildade

Evangelho Seg. o Espiritismo – Cap. 7 – “Bem-aventurados os pobres de espírito”

Objetivos:
o   Compreender que os pobres de espírito são os simples e humildes, os que não têm orgulho.                  
o   Entender que o orgulho destrói todas as qualidades do espírito, e a humildade, aos olhos de Deus, eleva.
o   Esclarecer que a humildade não tem a ver com a aparência, não é ser “pobre” materialmente. A humildade não se revela pelo exterior, mas pelos autênticos sentimentos de igualdade e respeito.      
o   Reconhecer que a humildade é fundamento de todas as virtudes, que caracteriza as pessoas modestas, espontâneas e probas e que, em Jesus encontramos o maior exemplo de humildade.                        
o   Estimular a compreensão que Jesus atendendo aos rudes labores da carpintaria com José, oferece-nos o exemplo da humildade na excelência do trabalho honesto para dignificação do espírito, pois Jesus subsistindo na condição de Espírito puro,encarnou na Terra e viveu entre os homens como homem simples.             
o   Compreender a humildade de Jesus que, grande em sabedoria e amor, convida doze companheiros simples para colaborar com Ele na difusão do seu Evangelho.                                                        
o   Reconhecer na passagem evangélica um de seus exemplos mais belos, Jesus lavando os pés de seus discípulos, demonstrando a maior lição de humildade; mensagem para que O sigamos, que façamos aos semelhantes tudo aquilo que gostaríamos que nos fizessem.

Referências – O Evangelho Segundo o Espiritismo
 Cap. 7 – BEM-AVENTURADOS OS POBRES DE ESPÍRITO

Referências – O Livro dos Espíritos
Outras Referências:
- Jesus no Lar. Cap. 4;
- Pai nosso. Lição: A serviço da perfeição; Cap. 67.
- Grãos de mostarda. Vol. 1. Lição: O dia e a noite;
- Parábolas e ensinos de Jeus;
- Luz Imperecível. Cap. 56;
- Pensamento e vida. Cap. 24;
- Boa Nova. Cap. 11.

Abordagens atuais:                                                                                                                                                  
- A simplicidade de coração e humildade de espírito, são verdadeiros caminho de luz que nos livrará da tirania do  orgulho e do egoísmo.  
 - Reconhecer nos ensinamentos de Jesus, que o perdão e amor aos inimigos são também atitudes de humildade.              
- Identificar na manjedoura a primeira lição de humildade trazida por Jesus aos homens.           
- Relacionar atitudes de humildade e orgulho.                                                                                                            - Refletir sobre Jesus e seus exemplos de humildade e as atitudes diárias em que podemos exercitar a humildade de diversas formas. 
                                               
Referências bibliográficas consultadas: Evangelho Seg. o Espiritismo – Cap. 7 e 12; Evangelização – Conteúdo Programático da União Espírita Mineira –BH/MG; Evangelho da meninada; Lucas, 2; Filipenses 2:5; 2Corintios 8-9; João 13: 5-14; Filipenses 2. 6-8.- Elucidações Evangélicas – Antonio Luiz Sayão; Pensamento e Vida Emmanuel/F.C.Xavier), cap. 24; Religião dos Espíritos (Emmanuel/F.C.Xavier), cap. 17.

Primeiro Momento: Incentivarão inicial
Mostrar às crianças a figura de uma pequena manjedoura, perguntando-lhes o que aquele objeto as faz recordar.
Caso elas não consigam responder, estimular-lhes a lembrança do nascimento de Jesus, que teve por berço uma manjedoura (cocho para colocar comida para animais), em uma estrebaria.

Desenvolvimento: Exposição dialogada de imagens no PowerPoint – HISTÓRIA DE Jesus e seus exemplos de humildade.
Jesus podia ter nascido num palácio como um rei, poderia ter muitos servos, andar em lindas carruagens ou lindos animais, pois era os veículos da época, vestir finas roupas, mas não o fez.
Sua primeira cama foi uma manjedoura, lugar onde comem os animais. Nem num quarto bonito ele nasceu. Nasceu onde os animaizinhos vivem e dormem. Não se vestiu com lindas peças de roupas, foi enfaixado com paninhos, e mesmo depois quando adulto, vestia uma túnica rústica e sandálias de couro nos pés, e saia falando aos homens da Terra sobre o Amor que devemos ter uns pelos outros.
Ele é um Espírito Puro, cuja morada um mundo todo de luz, amor e eterna bondade, e veio viver conosco num mundo de seres imperfeitos, onde prevalece as sombras da maldade.
Será que veio trazer algo muito importante? Será que Ele queria nos ensinar algo? Vamos procurar descobrir o que é? Prestem muita atenção para descobrirem um importante ensinamento na linda história de vida Jesus.
(Figura - Manjedoura) – Esse foi o primeiro berço de Jesus. È um lugar onde comem os animais. Ela simboliza ou representa que Jesus traz o alimento essencial que alimentar nosso espírito – Amor.
(Figura - O Estábulo) – Não importa se vivemos em palácio ou num barracão, o que trazemos no coração é nosso maior tesouro. Quais os verdadeiros tesouros do coração? São as virtudes.
Pois bem, Jesus é muito rico, o estábulo onde nasceu ensina que valemos pelo que somos, e não pelo que possuímos na Terra.
(Figura – Jesus na manjedoura) – Nos preocupamos em vestir lindas roupas, nos enfeitar e ficar bonitos, mas Jesus não se preocupava com isso, pois os Espíritos Superiores se ocupam com o que verdadeiramente é importante para o espírito. O que é importante para o espírito?
(Figura - Jesus carpinteiro) – A família de Jesus era simples, sua casa, os objetos. Seu pai trabalhava como carpinteiro, era um artesão, e desde cedo ensinou Jesus a profissão. Jesus trabalhava arduamente com seu pai desde jovem, e quando José desencarnou, trabalhou mais para ajudar Maria, sua mãezinha. Mas, trabalhando assim, ensinou algo - tem uma lição importante, qual é?
(Figura - Os Apóstolos) – Jesus possuía grande sabedoria, mas também com tanto amor que tinha no coração! Ele era chamado Mestre por todos. E Mestre é alguém que tem muita sabedoria e que age conforme ensina. Jesus tinha a sabedoria para ensinar todas as coisas que dizem respeito ao Espírito.
Quando chegou o momento d’Ele sair de casa para cumprir sua missão Na Terra, trazer ensinamentos que Deus o enviou para transmitir aos homens, Ele foi a procura de alguns amigos e companheiros, que aprenderiam com Ele e o ajudariam. Era uma tarefa muito importante de muita responsabilidade. E Jesus não escolheu as pessoas mais inteligentes, nem as mais cultas, ricas ou importantes da época. Não foi assim. Ele escolheu pessoas simples, pobres, de pouco estudo, que tinham defeitos e dificuldades, mas tinham muita vontade de aprender e ajudar o semelhante.
(Figura - Os seguidores de Jesus) – Muitas pessoas seguiam Jesus quando Ele saía às ruas, e Ele aproveitava esses momentos para em todos os lugares, nas casas, ruas, estradas, templo, a beira do mar, nos montes, ensinar Amar o próximo e querer bem a todos os semelhantes. Pois então conversava com as pessoas, e contava pequenas parábolas, pequenas histórias que serviam de exemplos e ajuda a compreender seus ensinamentos.
Ele atraia multidões. Alguns eram apenas curiosos: ouviam e iam embora. Outros queriam apenas ser curados pelo Mestre ou vê-lo praticando curas. Mas muitos eram tocados no coração pelo Mestre, com suas palavras e seu jeito tão doce e sincero de ser. Esses seguiam Jesus em suas viagens, sedentos de saber mais, de se melhorarem como pessoas.
         Alguns desses seguidores eram mulheres, como: Maria de Betânia (irmã de Marta e Lázaro); Maria de Magdala (Jesus a curou de uma obsessão); Maria (esposa de Alfeu e mãe do apóstolo Tiago Menor); Salomé (esposa de Zebedeu e mãe de Tiago Maior e de João); Joana (esposa de Cuza, procurador de Herodes).
(Figura - Jesus lavando os pés de seus discípulos) – Este é um gesto de muita grandeza e com esse gesto mostrou como devíamos amar nosso próximo. Prestem muita atenção no que vou contar.
De acordo com o costume da hospitalidade do povo da época de Jesus, um escravo lavava os pés dos convidados que tinham enfrentado o pó e a lama das estradas. E aquele dia foi a ultima ceia dos discípulos com Jesus, e por algum motivo, naquele dia nenhum escravo estava presente para cumprir esta tarefa. Chegaram os discípulos então no cenáculo (lugar onde faziam a refeição) e esperaram que alguém lavasse seus pés. Mas nenhum escravo estava presente, então sentarão à mesa com os pés ainda sujos não querendo nenhum deles assumir o papel do servo, mas Jesus percebendo-lhes o orgulho em seus corações aceitou a humilde responsabilidade, pegou a toalha a bacia e pôs-se a lavar os pés de Pedro.
Pedro protestou, pois ele julgava inconveniente o Mestre lavar os pés de um discípulo, mas Jesus disse-lhe: "O que faço não entenderá agora, mas entenderás depois" e Pedro continuou a protestar indignado, e então Jesus disse: "Se Eu não te lavar, não poderás ir comigo”.
Essa frase é uma forma simbólica que Jesus usou para dizer que devemos livrar-nos das impurezas de nossa alma para viver um dia no seu reino de luz. Essa ação de Jesus é um convite para renovação, para deixar o orgulho e sermos humildes, para que O sigamos e que seremos amados se amarmos e devemos fazer pelos outros que queremos que os outros nos façam. Por isso, se desejam amor dêem amor e sejam humildes, sejam prestativos e não orgulhosos.
Na época, essa tarefa de lavar os pés antes das refeições era feita por criados. Naquele dia antes da chegada de Jesus, os seus companheiros discutiam à cerca de quem faria tão subalterna atividade. Foi então que Jesus provavelmente aproveitando para ensinar-lhes a virtude maior que torna o homem superior, lavou-lhes os pés.
Após lavar- lhes os pés e as mãos, Jesus falou- lhes: "Aquele que quiser ser o maior dentre vós, seja o menor", deixando claro que a verdadeira virtude está na humildade.

Segundo Momento: Essa linda história que contamos de Jesus é para falar sobre um sentimento que nos impede de ser bons como Jesus foi. Este sentimento é o ORGULHO. Ele nos alertou sobre ele e ensinou que felizes são os HUMILDES, dizendo: ”Bem-Aventurados os Pobres de Espírito”
ORGULHO é um dos piores defeitos que temos, E O QUE NOS MAIS FAZ SOFRER. E para vencer esse inimigo no coração precisamos substituí-lo pela maior das virtudes: HUMILDADE.
Como é o coração do orgulhoso? O orgulhoso tem um conceito muito elevado ou exagerado de si próprio. O orgulhoso se sente superior ou melhor que os outros, e acredita que as qualidades que possui o fazem ser o melhor.
O orgulhoso mente para si mesmo, porque acredita ser muito melhor do que realmente é. Ele pode ofender muitas pessoas no caminho, porque seu orgulho não lhe permite ver que não existem seres inferiores, que fomos todos criados com o mesmo potencial. Aquele que alimenta o orgulho tem dificuldades na convivência com os outros. Ele não sabe falar carinhosamente a seus irmãos, esquece-se de Deus e despreza as palavras de Jesus.
A Humildade é uma virtude que leva a pessoa a reconhecer seus defeitos e compreender suas limitações. O humilde sabe que é imperfeito e cheio de falhas e que precisa melhorar-se, e por isso aceita com mais facilidade a vontade de Deus, o que faz com que seja mais tranqüilo para cumprir sua missão aqui na T erra.
A humildade leva a pessoa a cultivar outras virtudes, como o respeito, a paciência, a tolerância e a compreensão dos erros dos outros, esta porque sabemos sermos nós mesmos cheios de falhas.
Quem é humilde sabe servir ao próximo; é uma pessoa bondosa, semeadora de felicidade; ensina os que não sabem; consola os aflitos, espalha a fé e a esperança por todos os lados; é prestativa, ajuda a todos sem olhar a quem ajuda.
A humildade é a mais importante das virtudes, e uma das maiores conquistas do Espírito, quem conquista esta virtude, aceita, sem se sentir ofendido ou rebaixado, tarefas simples, aceita a obrigação de trabalhar em benefícios dos outros.
Orgulho destrói todas as qualidades do espírito, enquanto a humildade, aos olhos de Deus, eleva.
Quando temos o direito de reclamar e não reclamamos, quando abstemo-nos de fazer o mal ou vingar-nos e alguém, de reagir com violência, estamos estendendo o Bem, adotando a compreensão e o entendimento para com o próximo, estamos sabendo ser HUMILDES.
O Orgulhoso fica estagnado ou parado, não evolui,mas também não involui, pois fica iludido na falsa posição de superioridade. Já o  humilde cresce sempre, porque está sempre disposto a se corrigir e a aprender.
O Mestre nos disse que "Bem- aventurados são os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus". Quis dizer com isso que a felicidade é para os humildes, aqueles que não procuram rebaixar os outros, que sabem se colocar na sua posição exata diante de Deus, de si e dos homens.
Jesus, ao pregar a humildade, sabia que ela é a mãe de outras virtudes muito importantes para o nosso crescimento.
Jesus deixou muitos ensinamentos, de paz, caridade, amor, amizade, respeito, tolerância, compreensão e Amor ao próximo. Mas Ele sabia que a Humildade é a mãe de outras virtudes muito importantes para o nosso crescimento, e sem ela não desenvolvemos as outras, e não podemos compreender a vontade e a grandeza de Deus.
Jesus demonstrou sentimentos e atitudes que são exemplo de vida para nós. São referenciais que devemos tomar para as nossas vidas, não devemos nunca nos esquecer que Ele é o farol que deve iluminar nosso caminho.
O Caminho da dor e sofrimento é ORGULHO. O Caminho da felicidade é HUMILDADE. Qual você quer seguir?

Terceiro Momento: DINÂMICA - A idéia é confrontar orgulho vs. humildade.
Abaixo temos uma atitude orgulhosa seguida de sua atitude humilde equivalente.
São 12 atitudes orgulhosas seguidas de 12 atitudes humildes.
Vamos colocar as 24 frases misturadas numa caixa, e os jovens vão tirando ao azar até esgotá-las (é provável que fique jovem com mais de um papelzinho, não tem problema).
Em seguida, pedimos que alguém leia uma atitude orgulhosa. E discutimos em grupo qual seria o oposto àquela atitude.
Então, que está com a atitude humilde equivalente àquela atitude orgulhosa lê seu papelzinho e comparamos o que conversamos com o que está escrito.
E assim vamos até esgotar os papeizinhos.


PRECE FINAL

Dinâmica - Exemplo de frases:
Acha que sabe muito e não aceita ser criticado ou corrigido, pois se sente humilhado

Reconhece que ainda precisa aprender muito e está sempre aberto a novos conhecimentos

Não admite que errou e procura uma desculpa dizendo assim: "Não foi minha culpa"

Reconhece quando erra e diz assim: "Desculpe, eu me equivoquei" e procura fazer de novo, e melhor

Se acha sempre certo e acredita que não precisa mudar, pois tudo que faz é muito bom

Reconhece que pode fazer melhor e se aperfeiçoa para sempre superar a si mesmo

Resiste àqueles que são mais velhos e experientes (professores, pais, avós, etc.) e põe defeitos neles

Respeita aqueles que são mais velhos e experientes e trata de aprender algo com eles

Faz apenas sua tarefa e ainda diz: “Eu só faço meu trabalho; que outra pessoa faça a outra parte”

Estão sempre dispostos a fazer sua tarefa e algo a mais além da sua obrigação

Não aceita as ideias dos outros, pois julga as suas sempre melhores

Está sempre disposto a ouvir as ideias dos outros, pois acredita que todos são capazes de colaborar

Se julga sábio e poderoso e não reconhece Deus como força superior a todos os homens

É agradecido a Deus pela perfeição de suas leis e de sua criação

Está sempre insatisfeito, pois se sente injustiçado e merecedor de melhor sorte

Acredita plenamente na justiça divina e sabe que tem exatamente aquilo que merece

Acha que perdão é para os fracos; quem é forte mesmo arruma um jeito de se vingar (ele chama isso de "fazer justiça")

Sabe que engolir o orgulho e perdoar é a verdadeira virtude; a vingança só o iguala ao ofensor

Se arrepende do bem que faz quando não é reconhecido

Sabe que a verdadeira recompensa não está aqui, por isso faz o bem sem interesse de obter reconhecimento

Dá muita importância a cargos, posições sociais, nobreza familiar

Acredita que a verdadeira grandeza é moral e independe de qualquer título terreno

Não aceita demonstrar falhas em público nem pedir ajuda e prefere receber do que dar um pouco de si em benefício do grupo

Reconhece a timidez como sinal de orgulho e luta contra ela, mesmo que tenha de se expor à opinião do grupo.

Nenhum comentário: