15 de agosto de 2009

Aula - A voz da consciencia

PLANO DE AULA

A VOZ DA CONSCIÊNCIA

Objetivo: Despertar na criança a compreensão da existência em si mesma o que o Espiritismo chama de “Voz da consciência”, que nos adverte para não cairmos em erro. Esclarecer que a consciência é um pensamento íntimo existente em todas as pessoas.
Referência bibliográfica:
o Pedro, 3: 16 – “Tendo uma boa consciência”
o LE, 393 – “É a voz da consciência que nos adverte...”
o LE, 600 – “A consciência de si mesmo, principal atributo do Espírito”
o LE, 607 – “Capacidade de distinguir o bem do mal”
o Pão Nosso (Emmanuel/F. C. Xavier), cap. 76: “No refolho da consciência, vozes amigas lhe falam sem palavras...”
Primeiro momento: Introdução ao tema proposto:
Deus, nosso Criador e Pai, na sua infinita sabedoria, dotou-nos de um atributo que se chama CONSCIÊNCIA, que é um pensamento íntimo, existente em todas as pessoas.
Esse pensamento interior é conhecido como A VOZ DA CONSCIÊNCIA, que nos adverte para não cairmos em erro.
Esse pensamento ou voz sempre surge especialmente em momentos de decisões em nossas vidas, surge frente a situações em que temos oportunidade de escolher entre o bem e o mal, o certo e o errado.
O que nos acontece é que nós não a consultamos sempre que se faz necessário, isso por não termos o hábito ou quando ela nos fala não damos “ouvidos” a ela, pois quase sempre estamos fazendo o que queremos e não o que é certo e deveria ser feito, é porque estamos sempre satisfazendo a nossos interesses primeiro e não nos importando com os outros ou com o que é certo.
É através dessa “voz” que temos a capacidade de julgar nossos próprios atos, que temos capacidade de escolher entre o bem e o mal, e ela está gravada em nossa alma desde o momento de nossa criação, e ao encarnarmos ela vai aflorando à medida que crescemos. Ela é como uma plantinha que vai crescendo, e vocês crianças já a possuem bem crescidinha e é preciso que para essa plantinha cresça e dê muitos bons frutos, cuidar e dá atenção a ela cada vez que ela falarem a vocês.
Sempre que essa “voz” nos fala, temos a opção de ouvi-la ou não, mas é porque temos o livre-arbítrio, uma oportunidade que Deus nos dá de escolher o bem. Mas, quando nos vemos tentados a ignorá-la, isso causa muitos problemas futuros, pois, podemos ferir corações muito queridos, ou ainda, deixar recair sobre um inocente uma culpa nossa! Enquanto, ao ouvi-la poderemos atrair simpatia e admiração quando, por exemplo, experimentamos confessar ou admitir um erro nosso, certamente quando somos sinceros, somos admirados e não castigados.
Sempre adquirimos virtudes ao fazer as coisas certas, vamos fazer uma relação de virtudes que adquirimos ouvindo a voz da consciência?
Segundo momento: Deixar que os evangelizandos conversem sobre as virtudes escrevendo-as no quadro.
Terceiro momento: Diálogo e Reflexão
Vou agora relatar um fato ocorrido com um jovem que em uma difícil situação de CONSCIÊNCIA, o levou a profundas reflexões entre o bem e o mal. Vejamos como isso aconteceu.
Usar (logo abaixo) o expressivo desenho de um jovem no momento de suas cogitações nos “refolhos de sua consciência”

UM EXEMPLO DE “VOZ DA CONSCIÊNCIA”
A expressão facial estampada no rosto desse jovem reflete a luta de sua consciência e o dever de honestidade.
Vejamos as razões dessa luta íntima
Esse moço, pobre, mas cheio de ambição, ganha pouco mais que o necessário para o seu sustento.
Numa tarde de sábado, achou um pacote de dinheiro esquecido num banco de jardim público.
Aflito, permaneceu no mesmo banco até à noitinha, aguardando que alguém viesse à procura do dinheiro, o que não ocorreu.
No seu quarto de pensão, encontrou no pacote considerável quantidade de notas, juntamente com uma fatura comercial com o nome da pessoa.
Durante todo o dia de domingo, ficou pensando se deveria ou não devolver o dinheiro, lutando intimamente com a voz da consciência.
Pergunta para que os evangelizandos reflitam e respondam:
- O que vocês fariam se estivesse na situação do moço pobre? (dialogar).
Quarto momento: Narrar à história (com interferência): UM DIA NA VIDA DO MENINO PEDRINHO
Narração com interferência:
Agora vamos narrar um dia vivido pelo menino Pedrinho, em oito situações embaraçosas, todas com desenhos alusivos, quando, em cada uma, a voz de sua consciência lhe falava sem palavras.
Entretanto, se o evangelizador(a) desejar, poderá usar somente as ilustrações, rememorando os acontecimentos e os educativos momentos de reflexão.
Quinto momento: A atividade escrita para refletir e fixar o tema dado.
Prece Final

*Conteúdo retirado da apostila AME ciclo B

Um comentário:

Fátima Fraga disse...

Simone,

Adorei esta aula para minhas crianças da Evangelização. Usarei as imagens em power point e assim ficará mais interessante.
Você é ótima. Parabéns!