15 de junho de 2010

Aula - Sermão da Montanha - Bem-aventurados os que choram

PLANO DE AULA
TEMA: O SERMÃO DA MONTANHA
BEM-AVENTURADOS OS QUE CHORAM

OBJETIVO: Levar os evangelizando a compreenderem que a realidade no intimo de cada um é que nos leva alcançar a felicidade; que os sofrimentos bem suportados com paciência e resignação nos levarão a venturança futura.
Bibliografias/Fonte de pesquisa: Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec - Cap. V; O Evangelho Segundo o Espiritismo para a infância – Maria Helena Fernandes Leite; Educação Emocional e Intuitiva – Rita Foelker.
Harmonização com música
Prece Inicial
PRIMEIRO MOMENTO:
MOTIVAÇÃO:
Vamos apresentar o cartaz com as Bem-Aventuranças relembrando a aula que estudamos “Bem-Aventurados os Pobres de Espíritos” e explicar que nesse domingo falaremos sobre a Bem-aventurança: “Bem-aventurados os que choram”.
SEGUNDO MOMENTO:
DESENVOLVIMENTO:
Apresentar cartaz colorido com a bem-aventurança a ser estudada e desenvolver o tema.




Essa é uma das bem-aventurança que Jesus pronunciou numa pequena montanha.Ele falou assim, consolando os aflitos que sofriam e choravam.
Mas será que Jesus estava falando para aquele que caiu e esfolou o joelho? Ou será para aquele que perdeu um dente? Ou para aqueles que não ganharam o vídeo-game, computador, celular no natal ou aniversário? Jesus falava para os que choram com dificuldades na vida e não se revoltam não se queixam e se resignam.
Resignar é aceitar situações que não podemos mudar com serenidade, paciência e fé. Outra virtude que anda junto da resignação é a obediência. OBDIENCIA e RESIGNAÇÃO são duas forças necessárias ao nosso relacionamento no LAR, na ESCOLA e nas DIFICULDADES DA VIDA, que também é escola, praticando-as.
Porque será que tem pessoas que não fizeram nada de errado e sofrem?
É bom entender que se existe sofrimento é porque existe erros, e são conseqüências naturais das escolhas e comportamento nosso, então muitos sofrimentos são criados por nós mesmos. Deus não impõe sofrimentos a quem não errou. O pai e a mãe de vocês os castigam sem nada fazerem?
Há duas formas diferentes de sofrimento aqui na terra; quem sofre é porque está reparando (corrigindo) uma falta cometida em uma vida passada; mas ás vezes, sofre também por falta de cuidados, pelas escolhas que fazem nesta vida em que estamos agora.
Se muitos sofrimentos são decorrentes de falta de cuidados escolhas e atitudes nossas, haverá então conseqüências sérias, como exemplos temos (pedir aos evangelizandos que citem):
- Falta de cuidado ao atravessar a rua - ser atropelado;

- Mexer ou brincar com fogo - Queimaduras sérias e marcas profundas no corpo;

- Mexer em remédios ou produtos químicos - Intoxicar adquirir doenças;

- Não fazer os deveres escolares e estudar - Não desenvolve a inteligência e terá poucas oportunidades de trabalho;

- Não cuidar do corpo físico e espiritual - doenças do coração, diabete, etc. E para prevenir devemos cuidar do corpo físico tendo bons hábitos alimentares, não ter vícios como fumar, beber ou comer em exagero. E do corpo espiritual não mentir, agredir o próximo; evitar o sentimento de raiva, inveja, egoísmo. Cultivar a paciência com o irmão, o amigo o vizinho; a caridade com os muito necessitados.
Se formos inconseqüentes é natural que haja conseqüências ruins e não devemos então, reclamar das dificuldades, pois tudo que passamos foi causado por nós mesmos.
Certa vez Jesus disse alertando: “Tudo que semeardes, colherá”. No Espiritismo chamamos de Lei de Causa e Efeito (lembrar a lei).
Se os sofrimentos e dificuldades na vida são conseqüências de nossos atos, Deus permite que soframos para aprendermos a ser melhores, pois que nos advertem de que agimos mal e servem como experiência fazendo-nos sentir a diferença entre o bem e o mal e a necessidade de nos melhorar. Mas, alguns sofrimentos podem ser mudados, outros não. Nas dificuldades que não podemos mudar é importante que sejamos inteligentes; se não podemos mudar, vamos viver o melhor possível, vamos ser fortes ter boa-vontade, sem rebeldia ou revolta; se forçamos mudar de qualquer jeito certas situações, então assim podemos cometer novos erros nos endividarmos e nos complicar mais. É preciso resignar, ter fé, esperança, pois pelo contrário mais sofreremos. O auxílio divino vem por meio dos nossos amigos e guias espirituais que nos amparam com seus conselhos e nos fortalecem; essa é a providência Divina que nunca desampara filho algum, se sentimo-nos desamparados é pois nós que nos afastamos do Seu carinhoso amparo.

Mas não devemos confundir resignação com conformismo. Conformismo é quando paramos de lutar alegando ser a vontade de Deus, isso é fé cega; ou alegar não ter forças e etc.
Importante que tenhamos em mente que para todas as situações difíceis é preciso ter discernimento, paciência (tempo), compreensão, perseverança e fazer prece pedindo forças ao Pai. Dependendo do nosso esforço e vontade, pouco a pouco algumas situações poderão ser mudadas, mas disso também dependerão nossas atitudes e ações.

SEGUNDO MOMENTO: INCENTIVO: Pedir que citem o que for pedido abaixo (distribuir bala para cada resposta certa).

Situações que podem ser mudadas: ex.: dificuldades financeiras (trabalhar); notas baixas na escola (estudar); ficar doente (ir ao médico, tomar remédios); desentendimentos com pais, irmãos, amigos (compreensão, humildade, perdão); ficar irritado (acalmar-se, tranqüilizar-se).

Situações que não podem ser mudadas: más-formações físicas (cegueira, paraplegia, síndrome de down, etc.); doenças graves, etc.

Ações que posso realizar: ex.: sorrir para um amigo mais próximo; dar bom dia, boa tarde para as pessoas (o motorista do ônibus); conversar com um colega triste ou convidá-lo para brincar; ajudar a mãe nas tarefas de casa; arrumar o quarto; dividir o lanche; doar brinquedos e roupas; ser simpático e amigo de todos; respeitar as diferenças e gostos; ouvir mais e falar menos.

Ações que não posso realizar: rir ou debochar do semelhante; brigar, gritar com os pais e mais velhos, irmão, amigos; responder ou discutir principalmente com pais e mais velhos; desobedecer aos pais e professores; irritar-se e ser grosseiro, impaciente.
Grande parte de nossas atitudes ou ações são responsáveis pelos sofrimentos dificuldades de hoje, pois sempre há conseqüências em todas elas, mesmas as mais insignificantes.

TERCEIRO MOMENTO: TIPO DE ATIVIDADE: Jogo
JOGO DA FORÇA INTERIOR
OBJETIVO:
Perceber nossas forças e virtudes, descobrir como nos tem sido importante compartilhar experiências positivas.
MATERIAL: Vinte e cinco (25) cartões de 10,0 X 7,0 cm, todos de mesma cor e tamanho, cada um trazendo escrito o nome de uma força ou qualidade do Espírito:
GENEROSIDADE
PERDÃO
PACIÊNCIA
CONFIANÇA
MISERICÓRDIA
BONDADE
CARIDADE
GRATIDÃO
HUMILDADE
RESIGNAÇÃO
PAZ

SILÊNCIO
ALEGRIA
PRECE
CALMA
SINCERIDADE
AMOR
VERDADE
CARINHO
COMO APLICAR:
1) Embaralhar os cartões arrumá-los na mão e pedir a cada participante que tire um, sem ver o que está escrito. Explicar que cada carta contém o nome de uma força ou qualidade espiritual.
2) Pedir que cada participante descreva para o grupo sua primeira impressão ao ler aquela palavra e como tem demonstrado ou vivenciado esta qualidade em sua vida.
VARIAÇÃO PARA O 2º PASSO (para os o pequenos): Colocar uma música suave dando alguns minutos para pensarem, pedir então que cada evangelizando fale da força ou qualidade sem dizer seu nome, enquanto os demais tentam adivinhar qual é.

QUARTO MOMENTO: Atividade: Este sou eu (em marcadores: Atividade Este sou eu)
TIPO DE ATIVIDADE: Criação de um livro Idade sugerida: 5 a 9 anos
OBJETIVO: Adquirir confiança, gostar de si mesmo, descobrir-se como ser único que traz ao mundo uma vocação individual.
MATERIAL: Três folhas dobradas ao meio para cada criança, de modo que se tenha um livrinho de 8 páginas + capa. No alto de cada página, o título; lápis de cor, canetinha.
COMO APLICAR:
1)
Todos nós estamos escrevendo histórias: as histórias de nossas próprias vidas. Existem pessoas que colocam histórias em livros. São os escritores. Hoje, todos nós vamos ser escritores, e contar um pouco sobre nossas vidas.
2) Entregue um livrinho para cada criança, e explique que deve escrever as páginas peal ordem de seus números.
3) A capa será feita por último. Conterá o nome da criança do jeito que ela quiser fazer: colagem, desenho, etc. e também seu auto-retrato.
4) Para os menores, enfatize o desenho. Para os maiores, a escrita.
5) Proponha às crianças que emprestem seus livros entre si, no próprio tempo da aula.

PRECE FINAL

2 comentários:

Luana disse...

Adorei mesmo essa aula!
Parabéns!!

Anônimo disse...

Como é belo o sermão do monte de nosso Senhor. Continue firme em sua tarefa.