14 de julho de 2008

História - Os amigos invisíveis

OS AMIGOS INVISÍVEIS

Paulo e Sílvia eram vizinhos e amigos.
Gostavam de brincar no quintal da casa da Silvia, fazendo túneis e lindos castelos na areia.

Paulo e Sílvia tinham um segredo: de vez em quando conversavam com dois amigos invisíveis, um moço e uma moça.

Esses amigos eram invisíveis só para os outros, mas não para Paulo e Sílvia, com quem eles conversavam alegremente.

Um dia Paulo deitou-se para dormir e, pouco depois, sentiu que subia, atravessava o teto e flutuava como um balão de gás.
Olhou para baixo e viu seu corpo na cama.
Pensou: “Ué! Como posso estar aqui e lá na cama?”
Paulo desejou estar com Sílvia naquele momento.
Mal pensou, viu-se no quarto da amiga, que também dormia na sua caminha.

Paulo segurou-a pela mão e o mesmo aconteceu: Silvia subiu, atravessou o teto, também flutuando como um balão e, em pouco tempo, os dois voavam juntos enquanto seus corpos ficavam na cama.


Mas eles não estavam sós. Os amigos invisíveis estavam com eles e os levaram para visitar um lugar com lindos jardins, onde brincaram muito. Em certo momento, a moça mostrou as estrelas que brilhavam no céu e falou:
– Deus criou aqueles e outros mundos. Ele está neles; também está no nosso mundo e dentro de cada um de nós.
Os meninos acharam estranho Deus estar dentro de nós, mas sabiam que aqueles amigos nunca mentiam. Eles disseram mais:
– Cada um de nós nasceu para ser bom e ajudar o mundo em que vive. Só que Deus deixou
a cada um escolher o modo de ajudar. Mas uma coisa acontece sempre: quem faz o bem, atrai amigos bondosos que o protegem.
– São amigos invisíveis como vocês? Perguntou Paulo.
– Sim, porque são Espíritos, sem um corpo igual ao de vocês.
– E quem não quer ser bom? Perguntou Sílvia.
– Esses atraem Espíritos que também não são bondosos e que até trazem perturbação.
As crianças ouviram com atenção e gostariam de continuar a conversar, mas foram avisadas que já era hora de voltar. A jovem amiga ainda falou:
– Quando vocês acordarem lembrarão do nosso encontro como um sonho bom. Vão se sentir tranqüilos e felizes. Lembrem-se de que não devem brigar nem ofender ninguém para que possamos continuar juntos.

Todos abraçaram-se com amor. As crianças voltaram para seus quartos e, logo depois, acordaram. Sentiam-se felizes lembrando, como num sonho, do bonito passeio que deram com os amigos invisíveis.

(inspirado no enredo do livro “a revelação do segredo”, de elizabeth kübler-ross, ed. record.)

Um comentário:

  1. Alcione de Oliveira8 de dezembro de 2012 21:58

    Parabéns pelo blog. Muito me ajudou em várias aulas de evangelização.

    ResponderExcluir