27 de junho de 2011

Aula - Amar ao próximo com a si mesmo

Tema: AMAR AO PRÓXIMO COM A SI MESMO


Evangelho Seg. o Espiritismo, cap. XI

Sub-tema: Amar a si mesmo

Tópicos: AUTO-ESTIMA

CONHECIMENTO DE SI MESMO

LEI DE AMOR

Você é luz! – disse Jesus.

A amar e perdoar Ele veio nos ensinar.

Mas se de mim eu não gostar, como ao próximo hei de amar?

Objetivos: Levar o evangelizando compreender que se não amarmos e respeitarmos a nós mesmos não seremos capazes de qualquer amor verdadeiro pelos outros. Realizar o esforço do autoconhecimento necessário à progressiva melhoria do ser.

Bibliografia: Evangelho Seg. o Espiritismo, cap. XI; LE questão 919; Conteúdo Programático da UEM.

Primeiro momento: Desenvolvimento da aula: dinâmica inicial.

Dinâmica – Conhece a ti mesmo

Material: Uma folha para desenho e um lápis colorido ou caneta hidrocor para cada evangelizando.
Desenvolvimento:
1. Distribuídos os materiais da dinâmica, o evangelizador explica o exercício:
Cada qual terá que responder, através de desenhos, à seguinte pergunta:
Quem sou eu?
Dispõem de 5 minutos para preparar a resposta.
2. Os evangelizando desenham sua resposta.
3. A apresentação dos desenhos é feita ao grupo. O evangelizando deve falar sobre seu desenho, falar de como se vê.
4. Avaliação da Dinâmica:
O que aprendemos com este exercício?

Segundo momento:

Iniciar o diálogo: Que significa “Amar ao próximo com a si mesmo”? Quem disse essa frase? Por quê?

O que é “amar o próximo”? É fazer todo o bem possível a seu semelhante. É procurar sempre retribuir com o bem todo o mal que ele vir a te fazer.

Ter amor ao próximo é mesmo que ele te magoe, ofenda ou te prejudique, é não ter-lhe sentimentos de ódio, rancor, desejo de vingança, desejar-lhe o mal; é ao contrário, perdoar, esquecer a ofensa que ele te fez, orar e estender-lhe a mão caso ele necessite.

Foi que Jesus veio a Terra nos ensinar, a importância do amor, por isso disse para “amar ao próximo”.

"Amar a si mesmo" significa que se não amarmos e respeitarmos a nós mesmos não seremos capazes de qualquer amor verdadeiro pelos outros.

Fica claro que gostar de nós mesmos é tão importante quanto gostar das outras pessoas. É fazer ao outro o que gostaria que te fizessem.

Ter amor a si mesmo é estimar-se, cuidar de si mesmo. Cuidar do seu corpo, se alimentar bem, não ter vício como fumar, beber, comer demasiadamente, estudar se desenvolvendo intelectualmente, trabalhar com dedicação, e mais importante: cultivar apenas bons sentimentos e praticar o bem fazendo a caridade.

Amar a si próprio não é egoísmo, porque quem não gosta de si mesmo não poderá amar o seu próximo.

Quem se ama não é ruim, só faz o bem, respeita os outros, não é violento.

Uma pessoa que se estima nunca é egoísta! Ao contrário aquele que ama a si próprio, respeita-se e, automaticamente, respeita as outras pessoas e jamais desejará prejudicá-las.

O egoísta, por sua vez, só pensa em si próprio, nunca se importando com ninguém!!

Se você não sabe se cuidar não deseja seu próprio bem, como pode fazer o bem para os outros?

Se não nos amamos, como poderemos seguir esse ensinamento de Jesus? Para amar o próximo é necessário que respeitemos e amemos a nós mesmos.

Parece impossível que alguém não goste de si mesmo, mas não é assim tão raro. As atitudes de vaidade, egoísmo ou arrogância, maledicência, a raiva, impaciência, inveja, não revelam amor por nós mesmos. Se não importarmos em corrigi-los, não estamos nos amando nem nos estimando.

Todos nós temos muitas qualidades e muitos defeitos. Vocês conhecem suas qualidades e seus defeitos?

Terceiro momento: Pedir uns momentos de silencio e que pensem e escrevam três qualidades e defeitos que sabem possuir.

Perguntá-los o que foi mais difícil reconhecer em si para escrever, as qualidades ou os defeitos?

Todos nós possuímos muitas qualidades e muitos defeitos que devemos nos esforçar por transformar em virtudes. Às vezes se torna difícil falar nelas porque nós não nos conhecemos bem, é preciso autoconhecimento.

Perguntar que sabem sobre autoconhecimento.

Autoconhecimento é o conhecimento de si mesmo, saber quem verdadeiramente somos. Saber o que gosta e o que não gosta, que deseja para si, que coisas são importantes, quais os nossos sentimentos diante de certos acontecimentos, etc.

O auto-conhecimento não serve apenas para percebermos nossos defeitos, mas também para compreendermos nosso verdadeiro valor. E, aprendendo a refletir assim sobre nós mesmos, mais facilmente poderemos nos corrigir.

E como se conhecer? É pela auto-avaliação e reflexão. Ao se avaliar você consegue reconhecer em si defeitos e suas qualidades, e ao refletir, você conversa consigo mesmo, formando pensamentos e ensaiando ações para mudar. Apenas com o conhecimento dos defeitos que podemos nos modificar.

Portanto, não procurem censurar os outros, apontando-lhes faltas e erros. Examinem-se a si mesmos. Depois, então, poderão observar que os defeitos que apontam nos outros estão em vocês mesmos. Quando corrigirem seus erros, o mundo se tornará correto. O primeiro passo é a auto-estima e o cultivo das virtudes.

Questionar que é auto-estima. Auto-estima é gostar de si mesmo, perceber suas qualidades e defeitos, valorizando as primeiras e tentando diminuir os últimos.

Não se revoltar ou ficar triste porque ainda não tem as boas atitudes que gostaria de ter; aceitar o próprio corpo físico (cor do cabelo, altura, peso, a cor da pele, as alterações físicas que acontecem na adolescência).

Não deve significar acomodação ou revolta, mas uma atitude positiva de conhecer-se e mudar para melhor. Além disso, a estimar-se fortalece a paciência, a humildade e a fé, auxiliando-nos a viver em harmonia conosco e com os outros.

O auto-conhecimento é muito importante, pois serve para que consigamos ser a cada dia melhores.

Quarto momento: Como exemplo uma pequena estória – O Egoísmo de André

Este é André.

André não se conhece bem e nem percebe que, na verdade, é uma pessoa egoísta. Quer tudo de melhor sempre para si, e um dia começa perder os amigos, pois eles vão se afastando.

André não se conhece bem e nem percebe que, na verdade, é uma pessoa egoísta. Quer tudo de melhor sempre para si, e assim vai perdendo suas amizades, pois eles vão se afastando.

Sofre muito por isso e não sabe bem o que acontece.

André não se conhece bem e nem percebe que, na verdade, é uma pessoa egoísta. Quer tudo de melhor sempre para si, e um dia começa perder os amigos, pois eles vão se afastando.

André não se conhece bem e nem percebe que, na verdade, é uma pessoa egoísta. Quer tudo de melhor sempre para si, e um dia começa perder os amigos, pois eles vão se afastando.

André não se conhece bem e nem percebe que, na verdade, é uma pessoa egoísta. Quer tudo de melhor sempre para si, e um dia começa perder os amigos, pois eles vão se afastando.

Um dia, começa a refletir depois de tanto sofrer com as perdas de seus amigos. E então percebe que, em várias situações, pensou só em si mesmo, deixando os interesses das outras pessoas para trás. Enfim, nota que isso tem por resultado afastar os outros e deixá-lo infeliz.

Após compreender isso, reconhece que é preciso se conhecer mais para se tornar uma pessoa melhor. É preciso mudar!

Ele passa a se observar e a pensar em suas atitudes. Refletindo sobre seu modo de ser, André procura se corrigir e vai com o tempo se tornando uma pessoa menos egoísta.

Aprende a compartilhar, a dividir suas coisas, a doar para aqueles que não têm. E mais tarde, até a renunciar em favor dos coleguinhas.

Hoje André não sofre, têm muitos amigos; ele agora é feliz, pois conseguiu se corrigir.


Quinto momento: Uma maneira para nos conhecer é fazer um exercício, principalmente ao deitarmos para dormir, nos fazermos perguntas: agi bem nessa situação? Em que errei? Ofendi alguém? Deixei de ajudar quando podia fazer? Fiz algo que vai contra as leis de Deus? Fui bom? Etc. Estaremos refletindo e partir das respostas, obteremos a paz da consciência tranqüila, ou perceberemos em que não estamos bem e precisamos progredir.

Sexto momento: O Espelho

Objetivo: Amar a si mesmo; partilhar emoções; conhecimento de si.

Desenvolvimento: O ambiente deve ser silencioso.

Cada um deve pensar em alguém que lhe seja muito importante, quem gostaria da atenção em todos os momentos, alguém que se ama de verdade, que merece todo cuidado.

Entrar em contato com essa pessoa e pensar nos motivos que a torna tão amada.

(Deixar tempo para interiorização).

Agora cada um vai encontrar a pessoa que lhe tem um grande significado, uma pessoa muito importante.

Cada um em silêncio profundo se dirige até a caixa, olha a tampa e volta em silêncio para seu lugar.

Ao final, o animador deve estimular para que os evangelizando digam como se sentiram falando da pessoa importante que estava na foto.

* Em uma caixinha com tampa deve ser fixado um espelho na tampa pelo lado de dentro.

Sexto momento: Atividade escrita

Prece final




Outra estória:

O ESPELHO DA VERDADE

DUDU VOLTOU TRISTE DA ESCOLA NAQUELE DIA PORQUE COMO SEMPRE NENHUM COLEGA QUIS BRINCAR COM ELE.

NA HORA DO RECREIO FICOU SOZINHO SEM TER UM AMIGO PARA CONVERSAR. E AGORA, NA RUA, OS MENINOS O OLHAVAM DE LONGE SEM FALAR...

O QUE ESTAVA ACONTECENDO?

DUDU SE ACHAVA TÃO SOZINHO!

EMPRESTAVA A SUA BOLA PARA A TURMINHA DA RUA...

ATÉ DIVIDIA SUA MERENDA COM UM AMIGO...

DUDU DEITOU-SE CEDO E DORMIU LOGO. E TEVE UM SONHO INTERESSANTE E DIFERENTE.

SONHOU COM O VOVÔ ACÁCIO, SEU GRANDE AMIGO QUE JÁ SE ENCONTRAVA NO MUNDO ESPIRITUAL. VOVÔ MOSTRANDO-LHE UM ESPELHO. QUANDO DUDU SE OLHOU NO ESPELHO, E VIU SUA IMAGEM... SEU ROSTO ESTAVA TÃO ZANGADO ! PARECIA QUE SAIA FAÍSCA DE SEUS OLHOS.

DUDU FECHOU OS OLHOS ASSUSTADO E AFASTOU-SE DAQUELA IMAGEM.

VOVÔ ACÁCIO ABRAÇOU-O E FALOU:

- ATÉ VOCÊ MESMO NÃO QUER FICAR JUNTO DO “DUDU-BRONQUINHA”. TAMBÉM, PO ISSO SEUS COLEGAS NÃO QUEREM FICAR COM VOCÊ...

- MAS EU SOU “LEGAL” COM TODOS ELES VOVÔ. – FALOU DUDU.

- EM ALGUNS MOMENTOS, EM OUTROS, VOCÊ BRIGA POR QUALQUER MOTIVO OU FICA ASSIM DE CARA FEIA E AMARRADA. PROCURE LEMBRAR-SE DO QUE ACONTECEU OUTRO DIA, SÓ PORQUE PERDEU NO JOGO, VOCÊ PARECIA UMA TROVOADA EM DIA DE TEMPESTADE E OFENDEU A TODOS.

DE REPENTE A VOZ DO VOVÔ DESAPARECEU E DUDU OUVIU OUTRA VOZ:

- HORA DE ACORDAR DUDU!

ERA A VOZ DA CARINHOSA VOVÓ CATARINA.

DUDU PULOU DA CAMA E ARRUMOU-SE BEM DEPRESSA.

MAS LEMBRANDO-SE DO SONHO, POR VÁRIAS VEZES DUDU OLHOU-SE NO ESPELHO, E PENSOU COMSIGO MESMO:

“DUDU-BRONQUINHA” NUNCA MAIS!

Nenhum comentário: