7 de abril de 2011

História - Amizade Custa Pouco





Gessy Carísio de Paula

Amizade custa pouco e vale muito... É uma verdade! Mas somente para quem usa de boa vontade! Na casinha do cachorro, lá no fundo do quintal, veio esconder um gatinho com medo do temporal! O cãozinho não gostou da sua presença ali.



Rosnou, latiu, empurrou:- Já pode sair daqui!- A minha casa é pequena, não dá espaço pra dois! Onde já se viu combinarem cão e gato!... Ora, pois!



O gatinho respondeu com um olhar lacrimoso: - Não faça isto comigo, o tempo está tão chuvoso! - Logo que tudo cessar, você fica... eu pulo o muro, muito embora já esteja ficando tudo tão escuro! - A noite cai bem depressa e os trovões estão tão fortes... Tenha paciência comigo, deixe-me ficar, não se importe!



- Está bem, disse o cãozinho, com um ar muito importante, mas chegue bem lá pro canto e que não seja implicante! E o tempo foi passando... passando... a chuva caía, caía... o vento assobiando e a enxurrada escorria...



Pela porta da casinha começou a penetrar. O cãozinho se molhando, começou a se afastar... ...mais para o fundo da casa, onde se encolheu o gatinho.


Este só olhou por baixo e continuou bem quietinho! Não tinham uma coberta, nem um trapo pra se embrulhar... O jeito era, na certa, se enroscarem pra esquentar! Vez por outra, o cãozinho abria um olho só, para ver como o gatinho tremia... Fazia dó! E a dona do cãozinho não teve nem condição de levar-lhe um agasalho ou um prato de refeição...


Acanhado, o cachorrinho foi-se chegando, chegando, ao canto onde o gatinho se encolhia, ronronando! Chegou bem humildemente e pedindo de mansinho: - Posso deitar-me aqui, ao seu lado, bem juntinho? - A chuva está tão fria e a casa toda molhada... Só restou este cantinho livre dessas poças d’água! - Venha, dou-lhe meu lugar, você é o dono da casa... Foi gentil me abrigando, logo esta chuva passa...


Na troca de gentilezas do gatinho pro cãozinho, abraçaram-se e dormiram bem juntinhos, bem quietinhos!


Amanheceu um sol lindo, sorrindo num novo dia. O gatinho espreguiçou-se e, devagarzinho, saía... Não queria acordar o cãozinho que dormia... Tão tranqüilo e sossegado... Depois agradeceria...


Ao chegar á porta, então, ouviu a voz do cãozinho: - Não se vá, fique comigo, sempre fui muito sozinho! Dividirei com você minha casa, meu cantinho, meu leite, meu cobertor, meu quintal, meu brinquedinho! O gatinho aceitou, mesmo por não ter morada... Ficava só pelos muros ou casas abandonadas!





Desde então, naquela casa, lá no fundo do quintal, ouviam-se só latidos misturados a “miaus”! Eram os dois amiguinhos, brincando de esconde-esconde, ou, fugindo pela grade, iam pro parque, bem longe! Depois voltavam alegres, caminhando lado a lado... O povo até parava ver o inusitado: Um cãozinho todo preto e um gato muito branquinho, amigos, vivendo juntos, sem rixas... bem alegrinhos! Este exemplo, meus amigos, vem dizer muito pra todos: “Vale mais uma amizade... Inimizade é para tolos!” Usou de boa vontade com Mimoso, o gatinho... Afirmando esta verdade, Totó, o negro cãozinho!


Fonte: retirada da internet


Um comentário:

Kátia disse...

Parabéns pelo blog! Amei! Peço licença para usar suas ideias, também sou evangelizadora e professora as vezes falta tempo para preparar aulas boas... ajuda blogs como o seu. Obrigada Kátia